EU, EU MESMA E O BLOG 

Por Loris Valim 

O resultado das nossas escolhas pode não se manifestar do dia para a noite, mas tomar as decisões mais importantes, essas sim podem ser imediatas!

|

O momento exato da minha decisão em adotar um estilo de vida mais saudável não sei dizer ao certo quando foi, mas sei que ela foi tomada em outubro de 2016. Estava cansada de me sentir doente, de estar sempre com alguma indisposição, desanimo ou com quadros sérios de enxaqueca. Não entendia como podia estar mais tempo com sintomas desagradáveis do que me sentindo verdadeiramente bem. Foi neste mesmo ano que descobri a intolerância a lactose, mas não dei muita importância e acho que por algum tempo negligenciei essa situação. O fato é que eu estava cada vez mais doente...

Capítulo 1 – A REVIRAVOLTA!

Foi então, de um dia para o outro, que eu decidi que não queria mais me sentir assim. Resolvi que queria mudar, mas mudar de verdade, física, emocional e mentalmente. Quem dera a mudança acontecesse de forma tão rápida quanto foi tomar essa decisão, mas não foi bem assim.

Capítulo 2 – AS DIFICULDADES

Cresci no interior do estado do Rio Grande do Sul, com uma alimentação bem saudável e sem restrições. Na mesa do café, lembro do pão fresquinho, da rosca de polvilho feita pela vó no forno a lenha, do doce de leite (ah! O doce de leite), da nata, do queijo, da margarina, da qualhada, do café com leite... Para tudo!!!! Notaram a quantidade absurda de vezes que o leite de vaca aparece contido nesses alimentos??? Pois é minha gente, aí a explicação para a “dificuldade”, como começar a cuidar da alimentação se as coisas que eu mais gostava continham leite? Bom, ainda bem que somos seres evoluídos e adaptáveis e com muita determinação, resolvi me arriscar e experimentar mais.  Se sempre deu certo? Não, muitas vezes não deu, mas dos erros vieram os acertos e disso surgiu uma nova paixão: Culinária saudável.

Capítulo 3 – UM NOVO HOBBIE

Começou como um desafio pessoal, sem pretensão, apenas buscando maneiras de me alimentar melhor, de uma forma saudável, mas que a comida não perdesse o sabor. Foi de receita em receita que eu descobri o amor pela cozinha, pelo gesto de poder preparar a refeição e não adicionar apenas temperos, mas sentimentos. Aos poucos fui substituindo produtos industrializados e altamente processados por comida de verdade, comecei a descascar mais e desembalar menos. Acabei sendo meu próprio laboratório, aprendi a identificar o que era bom e o que não fazia bem para o meu corpo. Foi nessa fase que exclui alimentos com glúten e diminui a quantidade de carne. Aqui acho importante salientar a questão da individualidade nutricional, o que as vezes funciona para um indivíduo não funciona para outro, por isso a importância de aprender a escutar nosso corpo, e de descobrir o que melhor atende as nossas necessidades. Acho que o principal nessa fase, foi estar aberta as possibilidades. Descobri que precisamos pensar fora da caixa. Surgiu nesse momento um desejo de dividir com os outros um pouco dessa experiência culinária, mostrar que a comida de verdade pode ser nutritiva e saborosa.

 

Capítulo 4 – O PROCESSO MAIOR DE TRANSFORMAÇÃO

Sou péssima com datas, mas sei que em fevereiro de 2017 tomei uma das decisões mais importantes da minha vida, decidi que não iria mais comer carne (nota: peixe também é carne, embora até hoje algumas pessoas ainda me perguntem “mas nem peixe?”). Aqui não caberia explicar com palavras o que passei a sentir após tomar essa decisão, mas acho que amor foi o sentimento que melhor define esse momento. Posso dizer que fico feliz em estar colaborando com questões ambientais, até por que sabemos quanto a pecuária causa impactos negativos ao nosso planeta, mas poder olhar nos olhos de um animal e respeitar a vida desse ser, não tem preço! Esse é com certeza o capítulo mais importante dessa história, foi aqui que surgiram tantos questionamentos, foi aqui que surgiu a clássica “mas o que tu come daí? “ ou ”tu só come salada?” Foi uma fase muito interessante, descobri o apoio de pessoas que não imaginava, mas também senti o afastamento de pessoas que eu não esperava. Posso afirmar que foi o período mais bonito e mais difícil... Tive sempre o apoio incondicional do meu namorado/marido, que não só aceitou meu novo estilo de vida, como passou a fazer parte dele. Desse momento em diante optamos por não ter ou consumir carne em casa, acho isso de uma gentileza e respeito sem precedentes. Foram gestos assim que me fizeram perceber que eu estava cercada de amor e carinho e que isso é o que realmente importa.

Capitulo 5 – A CRISE

Sei que passei a viver momentos tão plenos e maravilhosos, que acreditava não poder ser mais feliz, mas como nunca havia me sentido assim antes, começaram a surgir os medos e as inseguranças, comecei a sentir uma necessidade enorme de descobrir meu propósito e isso se tornou pesado demais. Comecei a sentir muitas dúvidas, não sabia o que queria para o meu futuro, cheguei a questionar se minha profissão me fazia feliz, sentia insegurança quanto ao que fazer com o sentimento que queria tão desesperadamente manter que acabava sufocando. No desejo de querer passar aos outros um pouco do quanto essa mudança me fazia bem, acabei me frustrando e passei a ter crises sérias de bulimia (aqui caberia outro capítulo, mas como se refere ao meu passado, não vamos mexer nele, ao menos não por enquanto!). Foi então que me permiti 2 dias de introspecção, digo isso para não dizer que foram dois dias chorando muito, fazendo da cama e do quarto escuro meus melhores amigos. Senti muito medo de não conseguir sair daquele momento, mas pedi tanto a Deus, ao universo, que ele me escutou e me fez ver além do que eu estava sentindo. Foi nessa fase que escutei uma frase que ajudou muito, uma pessoa muito querida me disse "Tu não precisa ser um coisa ou outra, tu pode ser uma coisa e outra!". Precisei descer muito pra descobrir que o meu propósito era levar um pouco da minha experiência aos outros, poder compartilhar minhas receitas, minhas alegrias, e por que não meus medos e minhas inseguranças? 

"Tu não precisa ser uma coisa ou outra, tu pode ser uma coisa e outra!"

 

Capitulo 6 – A GRANDE VIRADA

Alguns dias depois da crise, em uma daquelas conversas boas que a gente tem sentado no chão... estava conversando com o meu marido sobre esse desejo grande de poder compartilhar com os outros um pouco do que eu aprendo diariamente, seja com as minhas receitas, dicas ou experiências pessoais e ele me deu a melhor sugestão que eu poderia ter recebido: “por que tu não cria um blog?”... sabe quando a ideia parece tão óbvia que tu nem pensa e já sabe que é isso que tem que fazer? Pois bem, aqui nasceu esse projeto lindo que já desde o início veio cheio de amor. A ideia do nome foi algo muito orgânico, tipo, “ah! Mas como eu vou chamar blog” e ele diz, assim, de primeira: “bem mais que salada”. Sabe aquela piada que a pessoa já conta rindo, mas a gente não consegue ver graça? Talvez seja isso que você sentiu, mas eu tô aqui, rindo. O conceito do blog é esse mesmo, mostrar que alimentação vegetariana é bem mais que salada, que é comida que faz bem e pode sim ser muito saborosa.

Próximos capítulos – CONSTANTE TRANSFORMAÇÃO

Estou sempre lendo, pesquisando e me aprofundando em assuntos que antes desconhecia completamente, adotei rituais de cuidados diários e aprendi que preciso deles para conseguir alcançar um pouco mais de equilíbrio. Estou em processo constante de mudanças, mas hoje me sinto melhor do que ontem e espero poder distribuir um pouco desse amor a você!

Vamos juntos ser sementes de transformação!

                                                                                

© 2017 Bem Mais que Salada | Loris Valim